Internet das Coisas na área da saúde: 6 maneiras de adotar

A Internet das Coisas na área da saúde é uma promessa da medicina em todos os níveis de assistência. Os recursos são infindáveis e as ideias vão surgindo a cada nova tecnologia.

O conceito é amplo e envolve desde inovações tecnológicas que facilitam o cotidiano das pessoas até processadores que integram dados pessoais em serviços administrativos, bancários e clínicos.

A aplicação da Internet das Coisas na área da saúde é inovadora e, por isso, é preciso ficar atento aos novos avanços. Saiba mais sobre o assunto neste post!

1. Homecare para assistência de idosos

É cada vez mais frequente a desinstitucionalização clínica, principalmente de idosos. O tratamento das principais debilidades do envelhecimento ou das consequências de uma grave doença pode ser feito no ambiente residencial com todos os recursos disponíveis.

Para isso, é importante equipar as residências com tecnologias que integrem dados clínicos e imagiológicos dos pacientes, além de dispositivos vestíveis que avaliem constantemente os parâmetros vitais.

2. Aplicativos para descrever o ambiente

Os deficientes visuais poderão se beneficiar fortemente das inovações advindas da tecnologia. Pesquisadores da área de Serviços Cognitivos da Microsoft estão investindo em aplicativos que descrevem o meio ambiente de forma detalhada e detectam possíveis perigos para esses pacientes.

Por meio de óculos inteligentes ou aplicativos instalados nos telefones celulares, será possível descrever o ambiente, ler pequenos textos — tais como o cardápio de um restaurante ou placas de sinalização — e garantir mais independência nas ações. Além disso, esse software poderá identificar emoções dos usuários em uma conversa ou captar os movimentos que acontecem nos lugares públicos.

VEJA TAMBÉM:  É seguro disponibilizar diagnósticos a distância?

3. Dispositivos vestíveis para monitorização

Os dispositivos vestíveis são tecnologias implantadas de forma subcutânea ou fixadas na pele que podem monitorar alguns parâmetros vitais. Para os esportistas, essa tecnologia permite a medição da frequência cardíaca, da taxa de oxigenação e o gasto calórico.

Para os portadores de doenças crônicas, são instalados pequenos chips subcutâneos que avaliarão as taxas de glicemia no sangue, hemograma, triglicérides e outras substâncias conforme a configuração e a necessidade clínica dos indivíduos.

4. Telemedicina ao alcance de todos

A telemedicina é a tecnologia que promete evoluções em todos os níveis de assistência, inclusive na rede pública. Trata-se da aplicação de recursos tecnológicos para aproximar os cuidados assistenciais onde a distância geográfica se torna um fator impeditivo.

Nesse sentido, é possível obter um telediagnóstico com especialistas clínicos por meio de videoconferências, discutir casos clínicos com médicos em diversas localidades e emitir laudos radiológicos para instituições de saúde.

5. Big Data na assistência à saúde

A Internet das Coisas evolui de tal forma que hoje é possível ter um perfil completo sobre preferências pessoais e padrão de consumo do indivíduo graças à ferramenta do Big Data. Ela integra dados de diversos sistemas e obtém informações que serão úteis para as empresas.

O Big Data poderá ser aplicado na área da saúde na integração de dados clínicos e condutas terapêuticas dos profissionais que assistem o paciente. Assim será possível prever com mais precisão o prognóstico das doenças e os tratamentos mais efetivos.

VEJA TAMBÉM:  Telerradiologia: descubra o que é e como aplicar no laboratório

6. Hospitais inteligentes para todos

Considerada uma instituição clínica de grande complexidade, os hospitais estão sempre em busca de novidades para melhorar a assistência prestada e otimizar os serviços realizados.

Com base na Internet das Coisas será possível fazer manutenção a distância dos equipamentos médicos acessando os códigos presentes, que encaminharão as solicitações às empresas. Da mesma forma, é possível notificar para a reposição de suprimentos, fazer estatísticas de utilização de máquinas e realizar o atendimento médico a distância dos pacientes ambulatoriais.

A Internet das Coisas é mais uma ferramenta que possibilita cuidados clínicos e hospitalares de excelência. As aplicações são infinitas e ainda tem muito por vir!

E você, gostou das informações sobre a Internet das Coisas na área da saúde? Quer conhecer mais sobre uma das técnicas? Então leia este post e saiba como garantir a segurança de dados na telemedicina!