Aas melhores dicas sobre saúde, inovação, telemedicina, televeterinária e mais!

5 novas tecnologias que ajudam a monitorar o coração

Doenças do coração, principalmente infartos agudos, insuficiência cardíaca, acidentes vasculares cerebrais, doenças vasculares periféricas e infartos fulminantes, são aquelas que mais matam no mundo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em geral, elas estão relacionadas a estilos de vida e podem ser evitadas a partir da adoção de hábitos de vida saudáveis e da realização de exames periodicamente. Ainda assim, elas podem não dar sinais muito claros da sua existência, por isso, monitorar o coração deixou de ser algo a ser realizado apenas em consultas médicas eventuais ou exames anuais para ser uma preocupação constante.

A seguir, mostraremos 5 formas de monitorar o coração com o uso da tecnologia. Acompanhe!

1. Cintas de monitoramento cardíaco

As cintas, que devem ser usadas ao redor do tronco, na altura do fim do osso esterno, contêm sensores similares aos utilizados em um eletrocardiograma. Esses sensores medem os impulsos elétricos cardíacos de forma confiável tanto em repouso quanto durante a prática de exercícios como a corrida.

Além de medir, registrar e salvar as batidas por minuto, as cintas “conversam” com aplicativos e softwares por meio de bluetooth, permitindo que o usuário transfira todos os dados e leve ao médico para fazer análises a partir deles.

2. Relógios e pulseiras para medição cardíaca

Esses tipos de equipamento contam com sensores de LED que monitoram o fluxo sanguíneo. Em geral, os relógios contam ainda com funções como GPS e player de música, além de memória para salvar uma boa playlist e os dados detectados pelos sensores.

As pulseiras por sua vez são mais simples, mas também contam com memória e com dicas de como cuidar melhor da sua saúde, dependendo dos dados coletados. Ambos os tipos de equipamento são recomendados, principalmente, para monitoramento do coração em repouso e na academia.

3. Aplicativos para monitorar o coração

Os mais simples utilizam a câmera do celular para detectar mudanças na coloração da pele dos dedos, causadas pelo fluxo sanguíneo.

Os mais complexos — e que apresentam resultados mais confiáveis — compõem um sistema com dispositivos que contêm sensores de impulsos elétricos (semelhantes aos de eletrocardiogramas e das cintas de monitoramento cardíaco).

São usados para acompanhamento do ritmo cardíaco em repouso e para verificar alterações nos batimentos em situações específicas.

4. Eletrocardiograma com laudo a distância

O exame é feito exatamente da mesma forma que um eletrocardiograma comum: a partir da captação da atividade elétrica que faz o coração pulsar, feita por meio de eletrodos colados sobre a pele do tórax, braços e pernas, um aparelho chamado eletrocardiógrafo registra essa atividade em um gráfico, o qual é, então, analisado por um médico.

A diferença é que o médico responsável pela análise dos dados e detecção de problemas não fica no local onde o exame é realizado e os dados são transmitidos para ele via internet (por e-mail ou utilizando um sistema on-line próprio para isso).

Esse tipo de eletrocardiograma possibilita que os laudos sejam feitos por equipes especializadas, o que diminui as chances de erro, e que o resultado seja obtido rapidamente, a qualquer horário do dia ou da noite.

5. Monitores cardíacos implantáveis e wireless

Esses minúsculos aparelhos representam a tecnologia mais recente tanto no ramo dos monitores cardíacos quanto no âmbito da telemedicina. Semelhantes a marcapassos, eles são implantados no peito e passam a registrar os batimentos cardíacos, transmitindo-os em tempo real para médicos e enfermeiros especialistas.

A partir disso, é possível detectar as mais leves alterações sem precisar marcar consultas para recolher os dados do aparelho e analisá-los, além de fazer alterações no tratamento de pacientes cardíacos.

Quer saber mais sobre como a tecnologia contribui para monitorar o coração de maneira confiável? Confira, neste outro artigo, as vantagens de ter um eletrocardiógrafo digital na sua clínica.

Por que oferecer telemedicina para idosos e casas de repouso?

Telemedicina ou telehomecare é uma forma encontrada pelos serviços de saúde para atender o paciente em casa, por meio do uso de tecnologias de comunicação a distância. Esse sistema também permite a coleta de exames, o que ajuda os que possuem doenças crônicas, como diabetes, cardiopatias, entre outras, e, principalmente, idosos ou pacientes internados em casas de repouso.

Essa modalidade é extremamente útil, pois confere um acompanhamento seguro, ao mesmo tempo em que garante mais conforto e bem-estar ao doente ou idoso. Vamos conhecer agora algumas informações sobre a telemedicina para idosos e saber mais sobre sua importância.

Como oferecer telemedicina para idosos beneficia esse grupo de pacientes

O avanço da tecnologia trouxe grandes contribuições para uma melhor qualidade de vida, o que muito beneficiou os idosos, principalmente por conta de eles terem mais comodidade em atendimentos médicos.

Empresas de saúde que optem por oferecer o telehomecare entre seus serviços, direcionados à geriatria, têm uma grande oportunidade de crescimento. Isso porque, nos dias atuais, a população de idosos aumentou, bem como seu tempo de vida.

Há muito idosos em casas de repouso necessitando de um atendimento mais especializado. A telegeriatria pode preencher tal necessidade. Vejamos que benefícios essa modalidade traz para os pacientes idosos:

Tempo otimizado

É possível acelerar o acesso aos resultados de exames de pacientes, otimizando o tempo para as decisões médicas. Quando o laudo estiver pronto, rapidamente os dados ficam disponíveis na web para consulta do profissional de saúde ou do próprio paciente.

Mais segurança

A segurança das operações na telemedicina é um dos maiores benefícios. Os dados e exames do paciente somente são acessados por pessoal autorizado, mediante uma identificação ou senha.

Cuidados interativos

A interação por teleatendimento em tempo real entre médico e paciente beneficia quando a clínica ou hospital fica muito distante da residência ou da casa de repouso. Também é um facilitador em casos de pacientes impedidos ou com dificuldades de locomoção, como é o caso de muitos idosos.

Ferramentas como áudio e vídeo, bem como aplicativos, possibilitam ao médico consultar e dar laudo de exames em tempo real, como em uma visita clínica comum.

Monitoração remota

Os idosos requerem muita atenção constantemente. Nesse requisito, a telegeriatria traz grandes benefícios, visto que o médico ou outro profissional de saúde pode verificar sinais vitais a distância e até mesmo utilizar um sistema de alarme para monitorar o idoso, com avisos caso algo esteja errado com o paciente.

Redução de contágios

A telemedicina é também uma vantagem nesse sentido. Como a avaliação do paciente acontece de maneira remota, são diminuídas as chances de transmissão de doenças infecciosas, seja para os demais frequentadores do espaço, para o médico ou para o próprio idoso, que em geral já está debilitado.

Sendo assim, o uso da videoconferência na telegeriatria também é uma medida de proteção contra a disseminação de doenças infecciosas entre profissionais de saúde, médicos e pacientes.

A telemedicina para idosos pode e deve ser usada em casas de repouso, quando um médico ou enfermeira não estão presentes fisicamente para cuidados constantes. É uma forma de reduzir também internações em hospitais.

A telemedicina para idosos atende muito bem as demandas de qualidade em prol da saúde. Gostaria de saber mais sobre como oferecer um sistema de telehomecare, em especial para o segmento da geriatria? Então entre em contato conosco!

Check-ups de início de ano: os laboratórios e clínicas estão prontos?

Os check-ups de início de ano costumam ser a primeira promessa a ser cumprida. Eles são importantes para detecção precoce de doenças ou acompanhamento clínico de enfermidades. Devem incluir exames laboratoriais, radiológicos e outros aliados ao acompanhamento clínico com os profissionais de saúde. Também são exigidos pelas empresas, conforme o tempo de serviço ou a entrada em nova faixa etária.

Contudo, muitos laboratórios e clínicas que realizam exames de check-up não se atentam para esse nicho ou para o aumento da demanda nesse período do ano, perdendo uma boa oportunidade de crescimento.

O objetivo deste post é oferecer dicas para as empresas de saúde se prepararem para o público que realiza periodicamente o check-up. Acompanhe!

Conheça as necessidades do público-alvo

Entender as necessidades clínicas e laboratoriais dos pacientes é um passo importante para garantir sucesso nos negócios de saúde. Por isso, é essencial avaliar o perfil socioeconômico, padrão medicamentoso, frequência na solicitação de exames clínicos e diagnóstico de doenças crônicas.

Assim, o gestor poderá traçar o perfil de pacientes atendidos, verificar os serviços solicitados frequentemente e aqueles que apresentam pouca produtividade, conseguindo maior base de informações para investir nos itens de maior interesse clínico e financeiro.

Elabore convênios com as empresas

Uma das estratégias para garantir um fluxo constante de check-ups é firmar convênios com empresas que necessitam desses serviços. Podem ser incluídos exames laboratoriais de rotina, hemograma completo e de imagem.

Para facilitar a adesão por parte das companhias e trazer praticidade para os seus colaboradores, a sua empresa pode enviar laudos on-ine e permitir o acesso aos resultados laboratoriais via aplicativos de celular.

Essas ferramentas da telemedicina podem garantir uma maior produtividade dos serviços clínicos, diminuindo custos e aumentando a satisfação dos pacientes.

A formalização de um convênio pode ser vantajosa para as empresas que contaram constantemente com esses serviços. Além disso, o histórico do paciente será observado ao longo dos anos, facilitando a tomada de decisões em casos de alterações laboratoriais.

Forneça pacotes de exames

As empresas podem fornecer um pacote de exames laboratoriais, radiológicos e clínicos conforme o perfil e demanda dos clientes. Para tanto, é crucial elaborar kits para check-ups, adultos e infantis.

Os kits devem incluir hemograma completo, dosagens de colesterol e suas frações, glicose e hormônios, além de outros aspectos específicos de doenças ou acompanhamento de enfermidades relacionadas ao ambiente de trabalho.

É possível também oferecer exames diferenciados segundo sexo e faixa etária. Para as mulheres acima de 35 anos, por exemplo, devem ser incluídos além das dosagens hormonais o ultrassom de mamas e endovaginal.

Para os homens acima de 60 anos, a detecção plasmática de PSA (antígeno prostático) é fortemente recomendada, aliada a dosagens de testosterona e hemograma completo.

Os check-ups de início de ano são exames necessários para manter a saúde dos pacientes e trabalhadores de uma empresa. Para atender a essa demanda crescente é importante conhecer o público-alvo, firmar convênios e parcerias com grandes empresas e elaborar pacotes com os principais exames.

Além disso, a utilização de ferramentas de telemedicina nos check-ups de início de ano, que garantem praticidade e comodidade ao paciente, também são bem-vindas. Por isso, caso queira aprender mais sobre essa inovação, baixe agora nosso e-book “Telemedicina: tudo sobre essa nova tecnologia“. Boa leitura!

ECG: descubra a importância do eletrocardiograma para atletas

Os cuidados com a saúde de um atleta devem começar antes mesmo do início da sua atividade física e, obrigatoriamente, se estender durante toda a prática dela. A rotina de treinos físicos pesados, muitas vezes combinada com o estresse de competições, acende um sinal de alerta para a saúde do coração desses indivíduos. Nesse ponto, o eletrocardiograma para atletas possui um papel fundamental, que pode fazer a diferença na vida dessas pessoas.

A oferta de um bom acompanhamento médico para atletas pode evitar verdadeiras tragédias, não apenas dentro dos campos e quadras profissionais, mas também no interior de academias e em competições amadoras. Esse é um mercado amplo, que merece e deve ser explorado. Continue a leitura e saiba mais!

A importância do eletrocardiograma para atletas

Segundo um estudo realizado pelo Centro de Pesquisas Cardiovasculares, da Universidade de Londres, um atleta possui risco três vezes maior de sofrer morte súbita do que o apresentado por pessoas que não praticam atividade física intensa. Obviamente esse perigo não é efeito colateral do exercício, mas uma consequência de cardiopatias não identificadas em exames clínicos.

Miocardiopatias e anomalias arrítmicas primárias, quando combinadas com a intensa liberação de adrenalina proporcionada por exercícios físicos pesados, são as principais causas de eventos fatais de arritmia em atletas. Identificar os esportistas que possuem tais características é o principal objeto de interesse no eletrocardiograma para atletas, além de ser a única ferramenta possível para prevenir fatalidades.

É bom lembrar que, à primeira vista, o eletrocardiograma em atletas pode apresentar variações que indicam uma possível patologia, devido às mudanças elétricas e estruturais que o coração dessas pessoas sofre ao passar do tempo e com a prática intensa de atividade física. Por isso, é importante possuir treinamento adequado para atender esses pacientes e a realização de exames complementares como:

  • Ecocardiograma
  • Holter
  • Teste ergométrico

Por que a sua clínica deve oferecer atendimento especializado para atletas

Além de toda a relevância médica já citada, o atendimento de atletas constitui um nicho de mercado amplo e pouco explorado.

Quando falamos em atleta, a primeira coisa que nos vem à mente são jogadores de futebol, lutadores, tenistas e esportistas das mais variadas modalidades. Enfim, pensamos em atletas profissionais. Porém, existem muitas pessoas praticando atividades físicas intensas — seja em academias ou nos parques das cidades — sem nenhum acompanhamento médico para tal.

E é justamente esse grupo de esportistas amadores, que levam seus corpos ao limite, que demanda maior necessidade de acompanhamento médico especializado, uma vez que atletas profissionais costumam ter acesso a uma rotina rígida de exames, que podem ser mais ou menos eficientes.

Na maioria das vezes os atletas amadores não realizam qualquer tipo de supervisão médica por falta de informação, e, não raro, por falta de opções no mercado. Afinal, grande parte desse grupo pratica esportes justamente com a intenção de ter uma vida mais saudável.

Ao oferecer um serviço especializado para esses indivíduos, a sua clínica não estará apenas prestando um grande serviço para a comunidade, como também tendo a oportunidade de se tornar referência em um mercado tão carente de opções.

Agora que você já sabe um pouco mais da importância do eletrocardiograma para atletas, dê também uma olhada em como um eletrocardiógrafo digital pode valorizar a sua clínica!

Qual é o status da telemedicina no Brasil?

A telemedicina no Brasil está caminhando a passos promissores tendo em vista a entrada de novas tecnologias, mais profissionais interessados em implantar a prática e a facilidade em utilizar os equipamentos disponíveis.

Criada nos Estados Unidos na década de 70 e trazida ao Brasil em 1990, atualmente ganha espaço em todas as vertentes clínicas, seja no atendimento por teleconsultas, videoconferências, dispositivos em aplicativos móveis e até na emissão de laudos on-line.

O Brasil é considerado um dos países mais interessados em implantar essa ferramenta, pois as pesquisas apontam benefícios no sistema público e conveniado de saúde. Por isso, se você quer saber em qual status estamos, acompanhe este post!

O que é a telemedicina?

Telemedicina é a evolução natural dos cuidados em saúde que acontece devido ao mundo digital. As estratégias da telemedicina encurtam distâncias geográficas e aproximam os pacientes dos médico especialistas.

As ferramentas envolvem áreas relacionadas ao diagnóstico e monitoramento de pacientes. Nesse sentido, é possível atender pacientes por meio da teleconsulta, acompanhar os registros clínicos por aplicativos de telefones celulares e propor intervenções terapêuticas.

Uma das áreas clínicas mais promissoras é o acompanhamento dos pacientes com problemas cardiovasculares. Nesse contexto, tem-se o eletrocardiógrafo, em que é possível realizar testes em repouso e exercícios e emitir laudos on-line.

O que diz a legislação brasileira?

A legislação não se responsabiliza totalmente pela prática pois a considera uma especialidade tecnológica. Em 2002, o Conselho de Medicina editou regras de conduta para as atividades de telemedicina, considerando as questões relacionadas à remuneração pelos serviços.

No ano de 2003 surgiram pesquisas para detecção de diagnóstico, evolução dos tratamentos e estratégias tecnológicas para acompanhamento remoto. Como o passar dos anos e das inovações inseridas no Brasil, foi necessária a formalização do Conselho Brasileiro de Telemedicina — hoje, Associação Brasileira de Telemedicina e Telessaúde.

Essa instituição acompanha as principais atividades de telemedicina, orienta os profissionais de saúde sobre as práticas e monitora as principais reclamações.

O período de grande ascensão da telemedicina no Brasil iniciou-se em 2011 e perdura até hoje. Os trabalhos referem-se à telerradiologia, ao monitoramento a distância de funções fisiológicas (pressão arterial e parâmetros cardiológicos) e aos níveis metabólicos de glicose e hormônios.

Cases de sucesso no Brasil

A área da telemedicina de maior impacto até o momento se relaciona às videoconferências em saúde (telessaúde). É possível acompanhar procedimentos clínicos em lugares distantes, reunir profissionais em prol de um diagnóstico e capacitá-los com assuntos diversificados.

Também têm se destacado os procedimentos de telerradiologia com emissão de laudos a distância, registro de dados clínicos em nuvens e recomendações clínicas via telefones celulares (smartphones).

Assim, é possível investir em estratégias clínicas e tecnológicas para pacientes residentes em comunidades carentes. Os exames oculares já são feitos pelo sistema público com rapidez e acurácia nunca antes imaginados.

Empresas como a Ventrix investem em monitoramento das funções cardiovasculares com emissão de laudos antes e após esforço físico. Devido à grande proporção de pacientes portadores de doenças crônicas tais como hipertensão, diabetes, câncer entre outras, o monitoramento da função cardiovascular é uma questão necessária.

A telemedicina é uma ferramenta que alia os conhecimentos clínicos atuais com as técnicas tecnológicas mais avançadas. Por isso, sabendo da inserção benéfica e interessante da telemedicina, avalie as possibilidades de implantá-la na sua empresa.

Se quiser saber mais sobre o tema, baixe nosso e-book gratuitamente: Telemedicina: saiba tudo sobre essa tecnologia.

É seguro disponibilizar diagnósticos a distância?

Com o avanço da tecnologia em vários setores, também é importante considerar seu uso na área da saúde. Nesse caso, a telemedicina já é uma realidade em muitas clínicas e laboratórios, destacando-se por agilizar os diagnósticos a distância.

Estudos do instituto de pesquisa BCC Research revelaram que esse mercado foi avaliado em 11,6 bilhões de dólares no ano de 2011 e ainda tem potencial para alcançar mais que o dobro em investimentos no mundo todo.

Mas por não serem tão comuns quanto a estrutura tradicional (médico e paciente no consultório), os diagnósticos a distância ainda geram certa desconfiança. Pensando nisso, neste post explicaremos porque esse trabalho gera benefícios para todos os envolvidos e como funciona na prática. Acompanhe!

Vantagens da utilização dos diagnósticos a distância

Sabemos que milhares de pacientes ainda sofrem com a demora na realização de exames laboratoriais e de imagem. Além disso, muitas vezes é necessário que eles se desloquem de uma cidade à outra para fazer esses exames.

É por isso que a tecnologia é uma grande aliada do diagnóstico a distância, uma vez que o armazenamento de imagens, prescrições e demais registros clínicos podem ser feitos em um servidor remoto.

Desse modo, profissionais especializados de grandes centros urbanos podem emitir laudos para hospitais e centros de diagnóstico sediados em regiões mais afastadas. O serviço é oferecido a um custo muito menor e sem que os pacientes tenham que se deslocar do município onde moram. Além disso, a probabilidade de acontecer erros médicos diminui.

Os custos para as instituições de saúde também são baixos, já que os profissionais podem trabalhar com as imagens geradas a distância e emitir laudos de forma rápida e precisa de qualquer local com acesso à internet.

Assim, o serviço passa a ser integrado, pois não há necessidade de se aumentar a estrutura física das instituições nem o número de colaboradores. Isso resulta no aumento do número de procedimentos e o atendimento de mais pacientes.

Um exemplo a ser seguido

Em Manaus, a prática do diagnóstico por imagem já é realizada para tratar doenças oftalmológicas. O trabalho está sendo executado pelo programa de telemedicina da Secretaria de Saúde do Amazonas, que é custeado pelo Ministério da Saúde.

Os pacientes fazem o exame num equipamento chamado de retinógrafo, que foi instalado no Hospital Universitário Getúlio Vargas. O exame é acompanhado a distância por centros de referência do país nessa área, inicialmente no núcleo de Goiás.

Por meio do equipamento, é realizada uma fotografia panorâmica de até 270 graus da retina do paciente. As imagens são enviadas pela internet para serem examinadas. De acordo com o secretário de saúde da cidade, a ideia é levar o programa também para municípios do interior.

O diagnóstico por imagem é extremamente estratégico para a região amazônica, em que as pessoas têm que se deslocar de áreas distantes — e muitas vezes não conseguem pelo fato de a locomoção ser muito cara.

A telemedicina não é feita apenas com recursos tecnológicos. Ela é bem ampla e abrange também o primeiro contato entre médico e paciente, a investigação e o descobrimento do diagnóstico, resultando na análise de imagens até chegar ao tratamento clínico a distância.

No Brasil, essa realidade ainda é um pouco distante. Mas pode-se perceber que é possível usar os meios tecnológicos e os diagnósticos a distância para melhorar a eficiência dos serviços prestados na área da saúde e garantir uma melhor qualidade de vida à população.

Gostou deste conteúdo? Então confira as vantagens de disponibilizar on-line o resultado de exames!

Como reduzir os custos de uma clínica sem perder a qualidade?

Em tempos de crise, é fundamental que qualquer empresa pense em soluções para reduzir custos, de modo a manter um faturamento aceitável. No caso de clínicas médicas não é diferente, havendo ainda o desafio de conciliar a economia com a indispensável qualidade que deve ser associada à prestação de serviços de saúde.

Pensando nisso, separamos, neste post, alguns tópicos interessantes acerca da redução de custos de uma clínica sem que haja perda de qualidade. Confira!

Manutenção da ética médica

É fundamental que a preocupação com o faturamento da clínica médica não se sobreponha à qualidade do serviço oferecido. A prática médica influencia diretamente no bem-estar do paciente, e a realização dessa função pressupõe responsabilidade. Logo, adotar medidas que visem a economia da própria clínica e dos seus pacientes é também uma forma de manutenção da ética médica, uma vez que o atendimento de qualidade por um valor justo qualifica os bons profissionais da área.

Clínicas populares

Com o vácuo produzido pela crise financeira atual, a demanda por atendimento particular caiu drasticamente em função dos altos valores comercializados. Entretanto, a insuficiência de atendimentos proporcionados pelo SUS e a dificuldade de manutenção de um plano de saúde dá lugar a uma nova tendência: as clínicas de saúde populares.

Reduzir o custo para o paciente sem que haja déficit na receita da clínica é um desafio. Entretanto, o oferecimento de serviços médicos com valores mais baixos pode ser uma solução no sentido de captação de uma maior gama de pacientes e, consequentemente, ampliar a receita da empresa.

Prestação de serviços

A infraestrutura de uma clínica depende diretamente da prestação de vários serviços paralelos, que vão desde a equipe de limpeza à manutenção de aparelhos e produção de laudos médicos. É possível reduzir consideravelmente os custos desses serviços realizando uma pesquisa de mercado referente às empresas que oferecem os mesmos tipos de serviço, uma vez que pode haver uma diferença de até 50% entre os valores oferecidos.

Redução do custo de laudos

Considerada uma das principais despesas de uma clínica, a obtenção de laudos médicos é um fator que deve ser analisado na redução de gastos. Uma solução interessante não só pela diminuição do custo mas também pela economia de tempo é optar por empresas prestadoras de serviço de telemedicina.

A telemedicina consiste na utilização de tecnologias de telecomunicação e de informação para facilitar o acesso a serviços médicos, como a realização de exames remotos, a obtenção de laudos à distância e a redução de custos clínicos. A utilização desse serviço representa não só uma vantagem econômica à prestação de serviços de saúde, como também um progresso que alia a prática médica à tecnologia atual.

Utilizar equipamentos de telediagnóstico significa uma melhoria considerável no mix de serviços da clínica, o que representa um diferencial, uma vez que não são todas as clínicas que oferecem esse tipo de serviço.

Gostou das nossas dicas? Então entre em contato conosco para saber mais sobre a prestação de serviços de telemedicina para reduzir os custos da sua clínica!

Comodato ECG: saiba como montar sua clínica com custo zero em equipamentos

Com o crescente número de clínicas médicas bem equipadas, os pacientes se acostumaram a escolher aquelas que ofereçam as melhores soluções e atendimento médico, com preços e prazos competitivos. Com isso, a concorrência entre as clínicas médicas cresceu, já que melhores são os preços, a qualidade e quantidade de serviços oferecidos.

Pensando nisso, mapeamos as melhores formas para economizar, na hora de expandir ou montar sua clínica médica, mantendo competitividade, liquidez e lucro.

Em que devo investir na clínica?

Na estruturação da clínica você precisará diversificar seus investimentos, alocando mais e menos recursos de acordo com as estratégias, localização, perfil dos pacientes e a carteira de serviços oferecidos, porém dificilmente você deixará de investir em algo, como infraestrutura, equipe, softwares de gestão, equipamento, treinamento, processo, mas terá de balancear os investimentos de acordo com as necessidades e objetivos.

Devo investir em equipamentos médicos?

Normalmente, o investimento em equipamentos médicos é caro, além de levar algum tempo para montar, estruturar e treinar a equipe. Porém, uma opção que vem agradando o mercado de equipamentos médicos é o comodato, pois reduz expressivamente gastos com a compra de equipamentos, além de existirem comodatos onde o equipamento vai de graça desde que você assuma um pacote mínimo de laudos mensais que serão emitidos através de uma central médica remota.

Vale a pena investir em médicos plantonistas?

Tudo depende da atuação profissional; caso o médico atue em consultas e procedimentos, sim, faz sentido investir, porém médicos plantonistas exclusivos para laudar exames, não compensam, já que existe uma opção que reduz custo e melhorar a eficiência clínica: a telemedicina – laudos médicos que, através da internet, são emitidos por centrais médicas remotas.

Quais os principais equipamentos médicos?

Pensando em clínicas generalistas, ou seja, de diagnóstico geral, por exemplo, o eletrocardiograma é um dos exames básicos importantes, já que indica doenças cardíacas, em especial as arritmias cardíacas, que podem inibir o uso de certos medicamentos ou até a prática de atividades físicas. Outros equipamentos importantes são o raio-x e o ultrassom, presentes em clínicas de diversos tipos e tamanhos.

Como fazer uma economia considerável?

Tempos de crise não são fáceis, não é mesmo? Assim, para economizarmos consideravelmente precisamos pensar nos maiores gastos, que são com os equipamentos médicos. Ao colocarmos no papel os valores gastos com equipamentos médicos, por mais que tentemos economizar, chegaremos em cifras de 4 à 5 dígitos. Por exemplo, a simples compra de um eletrocardiógrafo, equipamento médico básico, gira em torno de 5 à 7 mil reais. Mas, se transformarmos esta compra em comodato, o cenário fica diferente, veja: na Ventrix o comodato de um eletrocardiógrafo com o pacote de 20 laudos por mês sai pela mensalidade de apenas R$ 300,00. Onde o equipamento vai de graça, a garantia do equipamento é vitalícia e prestada pelo fabricante (Ventrix).

Ficou interessado, então faça agora mesmo um orçamento conosco.

Conclusão

Invista seu capital refletindo as necessidades de seu target e evite investir em passivos, como a compra de equipamentos que podem se tornar obsoletos. Assim, aposte na contratação dos comodatos em telemedicina, desta forma ampliando os volume de serviços prestados pela clínica, consequentemente aumentando a frequência de pacientes. Desta forma, você foca sua equipe em atividades que geram receita, como as consultas, e terceiriza receitas adicionais com a telemedicina. Além disso tudo lembre que o paciente irá resolver todas as questões em um único lugar, com muito mais praticidade e comodidade.

Viu como o comodato, a telemedicina e o eletrocardiógrafo são ótimas opções para sua clínica? Então não perca tempo, conheça nossa solução em eletrocardiógrafo, e telemedicina. Gostou, então compartilhe conosco sua opinião.

Como fazer o exame de eletrocardiograma?

Seja para prevenir doenças, para confirmar um diagnóstico, ou simplesmente para permitir a realização de atividades físicas sem riscos à saúde, o eletrocardiograma é um dos exames mais usados atualmente para checar o estado do coração. Esse exame verifica qualquer tipo de problema aparente e mostra ao médico qual é o melhor caminho a ser tomado nas mais variadas circunstâncias.

No entanto, são poucas as pessoas que fazem o eletrocardiograma, pensando que ele só deve ser prescrito em casos graves ou específicos, o que não é verdade. Saiba agora como fazer um eletrocardiograma e todas as informações indispensáveis acerca do assunto!

O que é o eletrocardiograma?

O eletrocardiograma é um exame que visa registrar a atividade elétrica do coração toda vez que este realiza um batimento, usando, para isso, uma série de eletrodos que são espalhados pelo corpo.

Esses eletrodos estão ligados a um aparelho, responsável por traduzir toda a atividade em um papel “termosensível”. A partir disso, o médico pode analisar os registros gráficos e avaliar o estado cardíaco do paciente de forma apurada.

Quando o eletrocardiograma deve ser feito?

O eletrocardiograma é solicitado tanto para a confirmação de um diagnóstico quanto para verificar, preventivamente, algum tipo de doença cardiovascular, visto que essa é a principal causa de morte de indivíduos adultos.

A arritmia e a desfibrilação, por exemplo, são disfunções cardíacas que podem ser verificadas por meio do exame. No entanto, doenças como hipotireoidismo e AVC (Acidente Vascular Cerebral) também costumam ser constatadas, mesmo envolvendo outras áreas do organismo. Isso prova que o exame, além de eficaz, é bem abrangente.

Instituições de esporte, como academias ou associações desportivas, também pedem o exame como forma preventiva, verificando se o atleta está apto para a prática de atividades físicas.

Como fazer um eletrocardiograma?

Preparando o paciente adequadamente

O primeiro passo para o eletrocardiograma é a preparação do paciente, que deve estar ciente que o exame é seguro, livre de riscos e rápido — desde que paciente colabore.

Para a realização do exame, é necessário colocar os eletrodos em pontos específicos do corpo. Se o paciente apresentar muitos pelos nesses locais, será necessário uma tricotomia (depilação), para que o eletrodo se fixe corretamente e não haja interferências.

Retirando toda a roupa, joias e qualquer adorno que estiver no corpo, o paciente deverá ser colocado de barriga pra cima, estando pronto para a sucessão do procedimento. O paciente deverá estar em repouso, por isso, é importante que movimentos bruscos sejam evitados 10 minutos antes do exame.

Posicionando os eletrodos de forma correta

Os eletrodos são fixados a partir de um gel colante, mas antes disso, é necessário que se passe acetona ou álcool desengordurante na pele, a fim de retirar parte da camada córnea, garantindo máxima eficácia para o exame.

Os eletrodos são colocados seguindo dois tipos de derivação, chamadas precordiais e periféricos. Os precordiais serão colocados sob o peito, enquanto os periféricos serão posicionados nos membros do paciente.

Os eletrodos precordiais são classificados como eletrodos V, e possuem determinados locais de atuação. Confira:

  • V-1: quarto espaço intercostal (entre as costelas), na margem direita do esterno. Possui cor vermelha.
  • V-2: quarto espaço intercostal, na margem esquerda do esterno. Possui cor amarela.
  • V-3: entre V-2 e V-4. No entanto, deve-se colocar V-4 primeiro. Possui cor verde.
  • V-4: quinto espaço intercostal na linha média clavicular esquerda. Possui cor marrom.
  • V-5: quinto espaço intercostal, situado na axilar anterior esquerda. Possui cor preta.
  • V-6: quinto espaço intercostal, situado na axilar média esquerda. Possui cor roxa.

Para iniciar a colocação, deve-se contar os espaços entre as costelas a partir da clavícula direita.

Os eletrodos periféricos são mais simples de ser colocados, basta lembrar da ordem vermelho-amarelo-preto-verde. Veja:

  • Eletrodo RA: braço direito. Tem a cor vermelha.
  • Eletrodo LA: braço esquerdo. Tem a cor amarela.
  • Eletrodo RL: tornozelo direito. Tem a cor preta.
  • Eletrodo LL: tornozelo esquerdo. Tem a cor verde.

O eletrocardiograma é um exame extremamente eficaz e possibilita o indivíduo descobrir uma série de distúrbios ou doenças que podem afetar o seu coração. Afinal, o quanto antes o problema for analisado, mais rápido ele poderá ser resolvido.

Agora que você aprendeu como fazer um eletrocardiograma, assine nossa newsletter e fique por dentro de outros conteúdos!

Entenda quais elementos são necessários para avaliar a produtividade de uma clínica

A produtividade é a capacidade de realizar cada vez mais utilizando menos recursos e mão de obra, com a manutenção de uma boa qualidade. Assim, ela implica em uma redução de custos em conjunto com a maximização do lucro e do desempenho do negócio. Em uma clínica, a produtividade também deve ser avaliada, considerando em conjunto a dimensão do cuidado e a humanização do atendimento.

Assim, avaliar a otimização da produção da clínica é fundamental, havendo algumas especificidades por ser um ramo da área da saúde. E então, pronto para conhecer mais sobre como avaliar a produtividade de uma clínica? Confira este post e saiba mais sobre o assunto!

Qual é a importância de avaliar a produtividade em uma clínica?

A clínica é uma instituição que auxilia na prevenção e na promoção da saúde, ou seja, é uma organização focada no cuidado. E para realizar essas medidas, ela precisa apresentar resultados, ter capital para realizar investimentos, adquirir materiais e remunerar profissionais para continuar se mantendo no mercado. Assim, a avaliação da produtividade na clínica é fundamental para que seja possível acompanhar como vai o desempenho financeiro do empreendimento.

Da mesma forma, é necessário esse acompanhamento para compreender se o paciente está recebendo a devida atenção. É preciso verificar também se os exames estão sendo úteis e realizados com a devida qualidade; se os diagnósticos estão sendo corretos e se a equipe está oferecendo um serviço de excelência.

Como avaliar a produtividade em uma clínica?

A produtividade em uma clínica pode ser avaliada por diversos indicadores, e é preciso estar atento a cada um deles para ter uma visão mais ampla do desempenho. Confira abaixo os diversos elementos que vão contribuir para uma análise efetiva:

Feedback do paciente

O feedback é fundamental para mostrar a qualidade do serviço oferecido. Esse aspecto vai desde o atendimento oferecido pelos profissionais, passa pela qualidade dos procedimentos médicos, assertividade dos diagnósticos, tempo de espera e facilidade de acesso aos exames. Assim, ouvir o paciente é fundamental — por ser ele quem vivencia os efeitos da gestão da clínica, certamente é a pessoa mais adequada para dar opiniões sobre os serviços.

Métricas estabelecidas para produtividade

Para mensurar a produtividade da clínica, é importante também observar aspectos mais quantitativos. Avaliar a produtividade com indicadores, nesse caso, envolve comparar o valor de investimentos para oferecer os serviços e a quantia obtida como retorno no total.

Métricas estabelecidas para qualidade

É uma quantificação em percentual dos erros e desvios em relação ao total oferecido no serviço de saúde. Esses valores são comparados com um índice-padrão. É importante lembrar que as métricas de qualidade devem ser avaliadas em conjunto com as medidas de produtividade.

Observação da rotina

Os profissionais precisam estar atentos ao que ocorre na clínica. É preciso verificar se erros são recorrentes, se as listas, documentos e agendamentos têm sido efetivos ou estão mal organizados, se os resultados de exames têm sido oferecidos de forma prática e rápida, por exemplo. Esses processos são indicadores mais simples, mas fundamentais para analisar a produtividade do negócio.

Flexibilidade

A flexibilidade é visível principalmente na modernização do empreendimento e é fundamental para uma clínica mais produtiva. Quando a instituição de saúde se abre para novidades, seja em tecnologia, formas de gestão, estratégias de atendimento diferenciados, a tendência é ela se beneficiar e otimizar sua produtividade.

Índice de churn

Pode ser fornecido por aplicativos e softwares e identifica a rotatividade, a evasão de clientes e o não retorno após a primeira consulta. Pode ser calculado também contabilizando esses dados ao longo de um período de tempo. Quando o índice de churn está alto, é indicado reavaliar a qualidade do serviço.

Acompanhamento de resultados dos tratamentos

Quando muitos casos na clínica estão com poucos avanços ou estagnados, de forma generalizada, pode ser um sinal de que o problema não está nos pacientes, mas no serviço. É evidente que problemas de saúde nem sempre apresentam melhoras rápidas e muitas vezes é preciso realizar vários exames, além de educar o paciente para o tratamento e auxiliá-lo para que ele consiga assimilá-lo. Entretanto, se isso ficar recorrente demais, pode ser um indicador de baixa produtividade e falta de qualidade no atendimento. Observe bem estes aspectos pois a produtividade na clínica está diretamente ligada com a qualidade do serviço oferecido.

Como a tecnologia pode contribuir com a avaliação da produtividade na clínica?

Ainda é muito comum que as pessoas façam grandes deslocamentos para realizar exames e consultas médicas. Essa realidade traz muitas dificuldades, altos custos com transporte, desconforto e até mesmo risco para a saúde do paciente em casos mais graves.

As ferramentas tecnológicas, como softwares e aplicativos, contribuem com maior velocidade, facilidade de acesso e consequentemente mais rendimento e satisfação do paciente. A entrega de resultados de exames e laudos por meio digitais otimiza os serviços prestados e viabiliza a possibilidade de a clínica atender um maior número de pessoas.

Além disso, a tecnologia pode otimizar a gestão da agenda, a composição de prontuários e o acesso às informações pelos profissionais da clínica. Na avaliação de produtividade, ela colabora para sistematizar e calcular os índices e para a geração de gráficos, relatórios e planilhas que oferecem um bom diagnóstico da situação da clínica.

Avaliar a produtividade é necessário para qualquer empreendimento. Mas em uma clínica, esse processo é diferenciado, já que conta com as dimensões do cuidado e da promoção de saúde. O feedback dos pacientes sobre os serviços oferecidos é fundamental, assim como as observações dos próprios colaboradores da clínica.

Acompanhar os resultados, verificando as melhorias de saúde nas pessoas assistidas pelo estabelecimento de saúde é outra medida primordial. Nesse processo, é importante incluir também métricas de qualidade e de produtividade. A tecnologia pode otimizar a avaliação, além de possibilitar que a clínica se torne mais eficiente e produtiva. Assim, a flexibilidade também é um parâmetro fundamental na análise da produtividade do consultório.

E então, conseguiu entender como avaliar a produtividade de uma clínica? Confira também este post sobre os mitos e verdades da telemedicina e conheça mais benefícios da tecnologia para o seu estabelecimento de saúde!

Humanização do atendimento: importância para você e seu paciente?

A melhoria da qualidade dos serviços é, sem dúvidas, um dos maiores desafios dos profissionais de saúde que atuam não apenas no Brasil, mas no mundo. Infelizmente, em algumas instituições, centros, hospitais e postos, o aspecto humano ainda é preterido, deixando as questões emocionais e psicológicas do paciente em segundo plano.

Contudo, a humanização do atendimento vem crescendo no atual contexto e promovendo uma assistência equilibrada em um ambiente colaborativo, em que o próximo é tratado com igualdade.

Essa busca por melhores serviços de saúde objetiva compreender não apenas o estado clínico do indivíduo, mas também os aspectos físicos, psicológicos e sociais, permitindo transcender a doença ao combatê-la de maneira mais humanizada.

Porém, há muitos profissionais que se encontram em dúvidas quanto aos resultados e às possibilidades de cura quando se inclui essa alternativa ao tratamento. Por isso, vamos explicar ao longo deste artigo tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Confira!

A importância da humanização do atendimento

A humanização do atendimento é parte de um plano maior para alcançar mais eficiência, resultados e possibilidades de cura nas unidades de saúde. Quando há integração e uma comunicação mais direta entre os pacientes e usuários dos serviços, os profissionais da saúde e os gestores dos hospitais, clínicas e instituições médicas, cria-se um vínculo mais humanizado entre todas as instâncias.

Dessa forma, se estabelece mais respeito e reconhecimento entre as partes envolvidas, que só tendem a refletir em um atendimento mais eficaz a quem precisa.

Para elucidar de maneira mais objetiva, imagine um paciente que recorre ao profissional da saúde em busca não apenas de resolver seu problema físico ou psicológico, mas também encontrar alívio e conforto pessoal. Humanizar o atendimento significa considerar as necessidades existenciais dessa pessoa, atendê-la com solidariedade e ser capaz de confortá-la.

Como implementar a humanização do atendimento na prática

Humanizar o atendimento não se restringe a apenas chamar o paciente pelo nome ou ter um sorriso constante no rosto. É preciso proporcionar um acompanhamento capaz de atender suas necessidades, orientá-lo quanto ao seu estado afetivo, sua sexualidade, a estética, etc.

É necessário compreender seus medos, suas incertezas e angústias. É aplicar o respeito ao outro, prestigiando a vida. Alguns procedimentos podem ser adotados na rotina hospitalar para o emprego eficiente da humanização.

Por exemplo, iniciar a discussão sobre o tema com os profissionais e outros colaboradores que trabalham com você. Esse é o primeiro passo para alcançar um desempenho pautado em valores que prezam pelos aspectos primordiais do homem, começando internamente para tratar o próximo, o paciente, com igualdade e equidade.

Uma vez estabelecido o posicionamento da sua instituição, esteja atento às queixas e reclamações de cunho emotivo — pois um indivíduo mais estável emocionalmente colabora melhor com o tratamento.

A ausência de informações é outro ponto. Comunique-se com o paciente com clareza e sem rodeios. O silêncio e a espera por respostas geram angústia e provocam ansiedade, podendo ir além, lançando dúvidas sobre a eficácia dos tratamentos e do serviço prestado.

Procure também assistir o paciente com conforto, especialmente quando ele estiver à espera de procedimentos que geram incômodos e desconforto físico, como exames de sangue, por exemplo.

Por fim, quando ele estiver em tratamento, procure orientá-lo de maneira personalizada, compreendendo suas preferências e aversões, em vez de apenas lhe dizer o que deve ou não fazer. O diálogo é fundamental.

A humanização é importante não só para o paciente, mas para seus colaboradores

Antes de planejar a atuação com um atendimento humanizado no ambiente hospitalar, é preciso que a sua unidade de saúde ou instituição adote também a humanização em sua rotina interna. Isso porque se os profissionais não contam com boas condições de trabalho, eles não podem atender com excelência aos pacientes, pois lhes falta satisfação e assistência necessárias.

Veja o cenário como um conjunto funcional, em que tanto os indivíduos que procuram por atendimento como aqueles que prestam os serviços precisam de solidariedade e empatia.

Promova o diálogo, respeite posicionamentos diferentes e reconheça não apenas as limitações dos outros, mas as suas também. Trate sua equipe como você deseja que seus pacientes sejam tratados. Isso contribui para um ambiente de trabalho mais humanizado.

Além disso, esse comportamento gera relações profissionais de confiança com os colaboradores, colegas e gestores, aumento de produtividade e queda da rotatividade dos funcionários, refletindo também na fluidez e eficácia dos tratamentos ofertados.

A humanização no ambiente de trabalho e as novas tecnologias

As instituições refletem os comportamentos encontrados nas sociedades. Na grande maioria, há falta de diálogo e deficiência de atenção para com seus usuários e clientes. Em alguns ambientes hospitalares, isso se repete.

Há uma desumanização dos contatos interpessoais. Essa postura expõe um cenário carente de contato, de compreensão, respeito e empatia. E é em meio a esse panorama que os profissionais e equipes de saúde podem se destacar, oferecendo uma postura diferenciada, tendo a tecnologia como uma aliada.

Afinal, ela trouxe significativas melhorias no tratamento de pacientes ao longo dos séculos para a medicina, permitindo principalmente a economia de tempo. Agora, a tecnologia deve ser empregada também para se ter um atendimento mais humanizado.

Nesse contexto, a melhoria dos processos de gestão na saúde pode, e deve, partir de maneira articulada aos avanços tecnológicos, para alcançar resultados concretos na experiência de quem precisa ser atendido.

Nesse processo, o prontuário médico pode viabilizar um acompanhamento mais transparente e objetivo, pois por meio dele os profissionais podem se debruçar sobre o histórico e o quadro clínico de cada indivíduo e ampará-lo corretamente.

E quando esse prontuário passa para um sistema informatizado, isso é, eletrônico, torna-se mais acessível para consulta, permitindo um atendimento pautado nas necessidades individuais de cada paciente.

Com a humanização do atendimento todos têm a ganhar, especialmente os pacientes. Eles se sentirão mais confiantes, melhor assistidos e vistos como vidas que importam, não apenas mais um número ou senha.

O processo de humanizar, quando bem direcionado e aplicado, promove uma evolução satisfatória no quadro clínico do indivíduo, visando a qualidade e eficiência dos resultados, por ter um acompanhamento médico como o telehomecare, por exemplo, sem preterir no modo de ser e agir de quem é atendido.

E então, gostou das nossas dicas? Aproveite e informe-se ainda mais lendo sobre as 7 razões para uma clínica adotar o telediagnóstico!

Como melhorar o mix de serviços da sua clínica?

Não há dúvidas de que prestar um serviço de qualidade é essencial para qualquer negócio, em especial para os da área de saúde. Qualidade, porém, não é tudo: é preciso oferecer aos clientes a gama certa de serviços para garantir satisfação da parte deles e retorno financeiro para a empresa. Mas como saber se sua clínica está oferecendo ao mercado o melhor mix de serviços possíveis?

A resposta virá de uma avaliação detalhada de tudo aquilo que já é oferecido, somada à análise do segmento e das necessidades do público já atendido pela clínica. Conheça algumas dicas valiosas que vão lhe ajudar a melhorar o mix de serviços de sua clínica.

1. Avalie aquilo que a clínica oferece

Você pode começar analisando o atual mix de serviços da clínica, listando cada serviço e seus respectivos custos de produção e rentabilidade. A partir disso, será possível detectar quais são os serviços que mais “valem a pena” para a empresa por serem os mais procurados ou os que proporcionam maior margem de lucro.

É possível construir um mix que inclua itens cuja demanda não é frequente ou com menor lucratividade. Porém, oferecer muitos desses serviços tem um custo para o negócio. Por isso, é preciso avaliar o que é melhor para a clínica, o que, em determinados casos, pode significar focar apenas nos produtos que vendem mais.

Antes de sair cortando serviços vale lembrar que, às vezes, é possível diminuir custos de produção e aumentar a lucratividade utilizando ferramentas e sistemas mais eficientes no dia a dia da clínica.

2. Analise o que é oferecido no segmento

Depois, é importante estudar o segmento no qual a clínica está inserida para detectar quais são os produtos oferecidos nesse segmento. O objetivo, nesse caso, não é fazer um mix igual ao da concorrência, mas, sim, definir a quantidade de serviços que farão parte do mix levando em conta a oferta e a demanda do segmento.

No caso de uma clínica que realiza exames, por exemplo, realizar apenas um ou dois tipos de exame significa lidar com uma fatia bastante específica do mercado e pode não trazer o retorno esperado. Considerando a existência de outros exames, é possível aumentar o mix e, com isso, fazer crescer o público que pode ser atendido.

Dependendo da situação — e levando em conta a avaliação de demanda e rentabilidade — o mix também pode ser reduzido aos serviços mais procurados ou mais rentáveis do segmento.

3. Considere as necessidades do seu público

Mudanças no mix de serviços, mesmo que sejam com o intuito de melhorar aquilo que já existe, podem afetar os clientes atuais da clínica, por isso, também é essencial ouvi‐los. Dessa forma, é possível confirmar quais são os serviços com maior demanda e ainda descobrir algumas necessidades específicas.

Muitas vezes, essas necessidades não significam grandes alterações no mix de serviços, mas podem acarretar, por exemplo, a criação de versões mais simples e, consequentemente, mais baratas de algum serviço específico — ou de pacotes de serviços que, combinados, ficam mais baratos.

Gostou deste post? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outros conteúdos sobre como melhorar os serviços da sua clínica!

5 vantagens de disponibilizar online o resultado de exames

O avanço da tecnologia trouxe significativas contribuições para uma vida com maior praticidade e comodidade. Em todas as áreas e segmentos de mercado, as soluções tecnológicas estão presentes e em constante evolução. Com a medicina não poderia ser diferente.

Além de todos os aparelhos e equipamentos que possibilitam e facilitam o trabalho dos médicos, a entrega de resultado de exames online é mais um dos privilégios a que podemos ter acesso. Leia a seguir 5 vantagens que a disponibilização de exames médicos pela internet pode trazer para a sua vida.

1. Comodidade e conforto

Sem dúvidas, o principal benefício é a facilidade para o paciente que, após realizar seus exames, não precisa alterar sua rotina para ter acesso aos resultados. Muitas vezes, o laboratório ou a clínica aos quais temos convênio ou são de nossa confiança, ficam distantes do nosso trajeto do dia a dia, dificultando a retirada do exame, que nem sempre está pronto no horário em que estamos disponíveis.

Poder acessar os resultados pela internet e já encaminhar para análise do médico economiza tempo, dinheiro e desgaste ― o que é muito comum quando ficamos horas a mais no trânsito ou em uma fila de espera.

2. Histórico eletrônico

Gerar um histórico de resultados de exames que pode ser acessado a qualquer hora e em qualquer lugar auxilia os médicos e os pacientes a manterem de forma organizada uma memória de sua saúde.

Isso facilita o acompanhamento dos profissionais, sendo mais fácil perceber evoluções ou pioras do quadro. Além disso, não precisar guardar exames e documentos antigos evita que eles se percam ou deteriorem com o tempo.

3. Economia

Reduzir custos é uma vantagem e tanto, não é mesmo? Economizar os recursos gastos com papel, filmes, envelopes, correios, entre outros, é sinônimo de contenção para o bolso e para o meio ambiente!

Não ter que imprimir todos os exames implica, também, na economia de espaço e infraestrutura para armazená-los, assim como de profissionais destinados a realizar essa atividade.

4. Fidelização do cliente

Quando você oferece um serviço de qualidade e que facilite a vida do seu cliente, a tendência é que ele se vincule à sua instituição, recorrendo aos seus serviços sempre que necessário. A praticidade e a geração do histórico de resultados de exames incentivam ainda mais o cliente a se manter fiel e, provavelmente, indicar a sua empresa para outras pessoas.

5. Redução de possíveis transtornos e de outros custos

Clínicas e laboratórios cheios de clientes é um sinal positivo para o empreendimento! Ao mesmo tempo, a probabilidade de alguns transtornos como longas filas de espera, redução da qualidade de atendimento ou até enganos na entrega de exames pode acabar com o seu negócio.

A disponibilização do resultado de exames online pode ser favorável ao reduzir o alto fluxo de pessoas em horários de pico, permitindo um atendimento mais personalizado e de maior qualidade. O espaço físico e o número de funcionários também podem ser reduzidos nesse caso, já que não é preciso abrigar tantas pessoas ao mesmo tempo.

Enfim, aproveitar os recursos que a tecnologia nos oferece pode garantir uma vida muito mais confortável, econômica e com mais tempo para se dedicar a outras atividades. A Ventrix desenvolve soluções inovadoras em telemedicina e tecnologia de diagnósticos que podem ser muito úteis para o seu negócio, entre em contato conosco!

E você, utiliza o serviço de resultado de exames online? Comente abaixo e compartilhe sobre a sua experiência.

Agendamento de exames online: tudo o que você precisa saber

O agendamento de exames é uma das principais etapas dentro do atendimento de um paciente. É constituído desde o momento em que ele descobre a existência da sua clínica até o término do atendimento. Atualmente, é mais comum que a instituição ofereça apenas a o agendamento de exames por meio de ligações telefônicas.

Neste caso,o paciente precisaria passar por alguns percalços para conseguir efetuar seu agendamento. Primeiramente, ele precisa aguardar um tempo para conseguir ser atendido por algum atendente, e só aí ele já perde um bom tempo. Após isso, em muitos casos ele será redirecionado até conseguir agendar seu exame.

“26% dos pacientes não conseguem marcar seu procedimento na primeira ligação”

Com isso, nesse texto iremos te propor uma ferramenta para que você provoque uma melhor primeira impressão e ainda consiga melhorar os processos de atendimento, ganhando em eficiência.

Pré-agendamento

O paciente pode ainda agendar seu exame por meio de um pré-agendamento.

Trata-se de um formulário que ele preenche e em algum momento receberá uma ligação informando os horários disponíveis, e se ele deseja agendar seu exame em algum desse horários.

Por isso, ele acaba tendo um volume muito baixo de agendamentos. E isso tem sido um grande questionamento de nossos clientes que tinham o pré-agendamento anteriormente: se a quantidade de agendamentos aumentaria. Será discutido logo abaixo o agendamento online, e você poderá tirar suas próprias conclusões se o seu número de marcações irá crescer.

“É importante ressaltar que agendamento online não é pré-agendamento.”

Por isso, a central telefônica é essencial para as instituições, porém ela precisa ser desafogada para que seja possível efetuar um atendimento mais satisfatório. Isso porque esse é um dos primeiros contatos com a sua instituição. E como diz o dito popular, “a primeira impressão é a que fica”.

Além disso, pode ter que lidar com alguma atendente que, devido ao dia a dia estressante de um setor de atendimento, pode acabar descontando isso no mesmo.

O agendamento de exames online

O agendamento de exame online é a possibilidade de o paciente agendar seu exame online, por meio de um computador, smartphone ou tablet. Melhor dizendo, de qualquer dispositivo que tenha acesso a internet.

É um novo canal de agendamento de exames que é fornecido pela clínica para que o paciente agende os seus procedimentos. Esse agendamento é feito em poucos passos e leva cerca de 2 minutos para ser concluído. 

O processo é muito simples e é possível evidenciar suas etapas, que são:

  • Identificação do paciente;
  • Escolha do exame e horário a ser realizado;
  • Confirmação do agendamento;

Além disso, as pessoas tem pouco tempo disponível, devido à vida cotidiana corrida do século XXI, e uma ligação como essa demoraria no mínimo dez minutos, gerando um transtorno enorme e um nível de satisfação baixíssimo.

“O agendamento online funciona 24/7, ou seja, 24 horas por dia 7 dias por semana”

Vale ressaltar que o agendamento online é totalmente integrado ao sistema de gestão (ERP) que a clínica utiliza. Ou seja, o agendamento é atualizado em tempo real, sem necessitar que uma pessoa opere o processo. Sendo assim, o processo de agendamento de exames online é feito automaticamente.

Redução de custos com o agendamento de exames online

Um outro fato muito interessante a respeito do agendamento de exames é que ele consegue reduzir os custos da clínica com atendimento. Mas como?!

Por não necessitar de uma pessoa por trás da operação da plataforma, é possível conseguir uma redução de 80% dos custos com o agendamento de examesCom a melhoria do processo de agendamento, você notará essa grande diferença no custo unitário do agendamento.

Pagamento de exames online

Com o objetivo de trazer mais segurança para o paciente e prestador, a CM viu a necessidade de existir a possibilidade de pagamento direto de sua plataforma de agendamento online.

O pagamento online nada mais é que o pagamento de exames dentro da plataforma de agendamento online, logo após o agendamento de um procedimento. É uma solução que possibilita um novo canal de pagamento para o paciente, e o mais importante: sem risco de inadimplência.

A solução é um grande facilitador para o setor de atendimento, auxiliando o recebimento dos procedimento e criando um novo canal de pagamento. Ele funciona de maneira muito simples: nada mais é do que uma etapa incluída no processo de agendamento online.

Conclusão

Vemos que o trabalho de agendamento de exames não é algo simples. Ele é estressante para todos os envolvidos, sejam os responsáveis pelo call center, ou para o paciente que necessita agendar um procedimento. Com isso, fica claro que oferecer o serviço para que o paciente agende seu exame online diminuirá muito a dor de cabeça da instituição com o atendimento.

Além disso, há um ganho para ambas as partes envolvidas. Para o paciente, aumenta o conforto, tranquilidade, comodidade e reduz o tempo de agendamento. Para a instituição, há a redução de custos, nova possibilidade de agendamento e redução do TMA.

No fim das contas, isso faz com que o novos pacientes escolham agendar em sua instituição, pois não existirá nenhuma restrição, e ele pode fazer o agendamento em qualquer momento que ele considere mais oportuno.

Sobre a CM Tecnologia

Facilitam o dia a dia das pessoas, agregando aos clientes soluções para automatizar o setor de atendimento de hospitais, clínicas e laboratórios.

A CM Tecnologia é uma empresa de TI especializada em softwares para o setor de atendimento, que auxiliam e somam na automatização, eficiência e resultados de empresas na área da saúde. Sua proposta é diminuir o custo que os clientes têm com Call Center. Trazendo eficiência para os clientes e comodidade para seus pacientes.

Gostou das nossas dicas sobre agendamento de exames online? Então deixe seu comentário sobre como fez para agilizar esse processo!

Escrito por: CM Tecnologia

4 dicas para medir a satisfação do cliente da sua clínica

A satisfação do cliente em ambientes clínicos vai além dos procedimentos dentro dos consultórios. Ela deve estar presente ao solicitar a consulta, na relação entre o profissional e o paciente e no pós-consulta. O nível de satisfação pode ser mensurado por meio de formulários impressos, eletrônicos ou ainda por entrevistas presenciais.

Pensando na possibilidade de crescimento do consultório clínico e no processo de fidelização, listamos, neste post, 4 dicas para medir a satisfação do paciente na sua clínica. Acompanhe!

1. Como elaborar questionários de satisfação?

Os questionários de satisfação devem contemplar perguntas diretas, com poucas possibilidades de resposta. Procure elaborar questões relacionadas a cada situação vivida na clínica: qualidade do atendimento, limpeza e higienização do ambiente, interação do profissional clínico com o paciente, qualidade dos insumos utilizados, etc.

Também é possível inserir informações direcionadas aos serviços tais como: “Você já ouviu falar de telemedicina?” “Seu médico explicou sobre as possibilidades do diagnóstico por meio da telecardiografia?”.

Procure caracterizar cada situação na escala de 0 a 10 para organizar os dados em um gráfico posteriormente. Assim, você pode visualizar o desempenho de cada setor e verificar onde deve propor mudanças.

2. Considere inserir campos para sugestões

Um campo aberto para sugestões apresenta vantagens e desvantagens. Isso porque as pessoas, muitas vezes, não conseguem expressar por meio das palavras — e de maneira adequada — sua insatisfação ou os pontos que poderiam ser aproveitados.

Por outro lado, surgem ideias que não poderiam ser pensadas ou incluídas nos questionários com respostas fechadas.

Por isso, analise seu público-alvo inicialmente, comece com questionários simples e objetivos e considere, com o passar do tempo, a inclusão de perguntas abertas do tipo: “Você teria alguma sugestão de melhorias?”.

3. Utilize a ferramenta NPS

A ferramenta NPS, do inglês Net Promoter Score, é uma métrica formulada para avaliar a satisfação do paciente. Ela é baseada em três grupos: detratores, neutros e promotores. Os primeiros não estão muito satisfeitos e atribuem uma nota de 0 a 6 na escala, que vai até 10. O segundo grupo atribui nota geral entre 7 e 8, enquanto o terceiro atribui 9 ou 10.

A diferença entre o número de paciente promotores e detratores será o NPS. Assim, se o número ficar negativo, significa que você precisa implantar novas mudanças, investindo em melhorias ou aperfeiçoando as rotinas já existentes.

4. Fuja das perguntas óbvias

Esse é maior desafio do gestor, mas que possibilita resultados diferenciados. Por isso, repense o questionário e fuja das perguntas óbvias. O paciente está entediado com as mesmas perguntas e, às vezes, nem lê o que está sendo questionado. Contudo, se você inserir uma pergunta diferente no meio do questionário, motivará o paciente a responder novas perguntas.

Em vez de perguntar: “Você ficou satisfeito com a consulta?”, questione se “O médico prestou atenção no seu caso?”.

A satisfação do paciente é uma preocupação recorrente no ambiente voltado ao tratamento da saúde. Ela precisa ser mensurada adequadamente para diagnosticar os problemas e continuar investindo nos pontos positivos. Por isso, as 4 dicas apresentadas neste post podem nortear o gestor a pensar nas metas para agradar o paciente.

Agora que já sabe como medir a satisfação do cliente, continue acompanhando nossos posts e curta nossa página no Facebook!

Como reduzir os custos do seu consultório médico?

No dia a dia, além das demandas cotidianas de um consultório, os gestores de clínicas enfrentam também o desafio de organizar, gerenciar e reduzir os custos operacionais da empresa.

Para auxiliar nessa importante tarefa, reunimos no post de hoje algumas dicas de como reduzir custos sem perder em qualidade e eficiência no serviço — pelo contrário, otimizando seus processos de gestão, o resultado será mais saúde e estabilidade para o seu consultório!

Conheça as suas despesas

Para saber onde cortar custos, é importante reunir e listar todos os seus custos, incluindo manutenção de equipamentos, pagamento de funcionários, compra de novos materiais, investimento em comunicação e todas as despesas recorrentes (as contas mensais) ou as esporádicas (cursos de capacitação, entre outros).

Mapeie também as suas receitas e a quantidade de pacientes que você possui atualmente.

Realize um diagnóstico

Assim como os seus pacientes, o seu consultório também precisa de uma avaliação criteriosa para, a partir disso, iniciar o tratamento mais indicado para manter a saúde. Todo consultório possui despesas fixas que não podem ser cortadas, pois prejudicariam o andamento das atividades e qualidade dos serviços. Portanto, antes de cortar, saiba o que é essencial para a empresa.

Com essa lista do que é dispensável e quais recursos podem ser mais bem utilizados, ficará mais fácil descobrir como reduzir custos.

Negocie com seus fornecedores

Um dos caminhos importantes para enxugar custos é analisar se seus fornecedores estão cobrando preços acima do executado pelo mercado. Pesquise, faça orçamentos e negocie com seus parceiros e concorrentes o melhor custo-benefício para o seu consultório.

Fique atento aos vencimentos e taxas

Um dos erros mais comuns, tanto na gestão de empresas quanto nas finanças pessoais, é o atraso no pagamento das contas, que resultam em multas e juros. Por isso, um dos primeiros passos rumo ao objetivo de enxugar custos é ficar atento aos vencimentos e programar os pagamentos, evitando, assim, o esquecimento e possível atraso.

Uma das dicas é criar um calendário de pagamentos e monitorá-lo semanalmente ou diariamente. Outro ponto importante é conhecer suas taxas bancárias e avaliar se alguma delas pode ser reduzida ou suprimida.

Procure ajuda de profissionais

Diante de assuntos financeiros mais complexos, como quitação de financiamentos ou investimentos em longo prazo, é recomendado procurar seu contador, consultor ou analista financeiro, para que ele possa te auxiliar nas melhores soluções e indicar o melhor caminho para a sua empresa no mercado financeiro.

Invista em um software médico

Hoje, existem muitas soluções no mercado para te auxiliar na gestão do seu negócio. Com tantas demandas e decisões para serem tomadas, os softwares são ferramentas desenvolvidas especialmente para otimizar seu tempo e aglutinar dados importantes para o seu negócio em apenas um lugar. Um deles é o Cardiofit, uma ferramenta que realiza as medições necessárias e transmite remotamente os dados aos especialistas, cortando assim diversos custos de envio e gestão de informações.

Com essas dicas, esperamos que você tenha conseguido aprender como reduzir custos no seu consultório e deixar seu negócio com a saúde em dia. Curta a nossa página no Facebook e continue acompanhando outras dicas para a gestão do seu consultório!

Saiba como melhorar sua produtividade na gestão de laboratório

Um melhor desempenho no trabalho é o desejo de todos que querem alcançar o sucesso na vida. “Como melhorar a minha produtividade?” é uma pergunta feita por todos que se encontram trabalhando, tanto empregados quanto chefes de empresas. Sim, os donos de empresa se preocupam e muito com o melhoramento dos serviços prestados e recebidos pela sua empresa.

Porém, muitas vezes, por terem o tempo quase todo tomado por várias atividades, esses donos acabam se confundindo e não administrando bem sua empresa para o alcance do seu rendimento máximo. Um exemplo desse tipo de problema está na gestão de laboratório, que exige uma grande dedicação por parte do gestor.

Ficou interessado em saber como melhorar a sua produtividade e a eficiência na gestão de laboratório? No post de hoje daremos dicas sobre como melhorar a administração do seu tempo. Confira!

Diminua a quantidade de tarefas na sua lista

Ter coisas para fazer é algo inevitável quando se mexe com a gestão de um negócio, mas é fundamental ter cuidado com o excesso dessas atividades. Principalmente, com aquelas que não possuem grande prioridade em sua vida. Priorize somente aquilo que é importante como, por exemplo, a administração do seu laboratório.

Organize o seu tempo

Passe a colocar no papel todas as suas tarefas do dia e a estipular prazos para a sua realização. Isso ajuda na organização e também aumenta o aproveitamento do seu dia, abrindo assim brechas para a resolução de outras questões relacionadas à gestão de laboratório.

Seja objetivo

Não se prenda a aquilo que não está funcionando, o importante mesmo para sua empresa é aquilo que está dando certo! Perder tempo quebrando a cabeça com questões que não levarão a lugar nenhum é muito comum nessa área, por ser de costume do dono da empresa resolver todos os problemas. Isso não otimiza o tempo e leva ao prejuízo do próprio laboratório, pois os pontos positivos de seus resultados não se sobressairão.

Saiba tomar as melhores decisões no seu negócio

Ter os contatos certos no momento em que se gerencia um negócio é imprescindível para o sucesso deste. Saiba se relacionar com aqueles que trarão benefícios para o seu produto e, além disso, proporcionarão ao seu serviço um melhoramento na logística do seu negócio.

Um exemplo que se tem para esse caso em laboratórios é o sistema de telediagnóstico. Por meio dele é possível dar diagnóstico de algum tipo de material à longa distância, utilizando da tecnologia da internet como via para isso. É um método que só traz benefícios, pois otimiza o tempo e facilita o dia dos pacientes que têm dificuldade para se deslocar de um local longe até o laboratório.

Continue aprendendo

Não é só porque você é dono de um negócio que deve apenas se fechar àquele mundo. Quanto mais experiências você tiver e quanto mais aprendizados levar para a sua vida, mais fácil será passar por situações difíceis durante a sua gerência, usando a criatividade para gerar soluções. Dessa forma, utilizando de todas as dicas dadas nesse post, a gestão de laboratório se tornará bem mais produtiva, culminando em bons resultados.

E você, realiza gestão de laboratório? Gostou das dicas dadas neste post? Então compartilhe-o nas suas redes sociais!

5 dicas para contratar um serviço de exame online

Se, em um passado recente, conseguir fazer um simples exame era algo complexo para moradores de cidades remotas, hoje, esse cenário mudou por meio da telemedicina. Ela compreende a prática médica, que é realizada de forma remota (exame online) — à distância —, independente da ferramenta que seja usada para isso.

Com a constante evolução nas comunicações, cada vez mais a telemedicina se torna popular. Principalmente quando se trata da realização de exames, que podem ser realizados no paciente e, os resultados, enviados para um especialista em qualquer lugar do mundo.

Neste artigo, trouxemos informações sobre como contratar serviços de exame online para oferecer o melhor para os pacientes. Confira!

Procure empresas consolidadas

Muitas vezes, empresas com sistemas novos oferecem ofertas financeiras de contratação muito abaixo da média de mercado — e isso pode acabar se tornando um pesadelo.

As ferramentas que disponibilizam os resultados de exame online precisam funcionar 24 horas por dia, de forma simples e eficiente, pois só assim você conseguirá entregar ao seu paciente a agilidade que ele tanto precisa. Projetos maduros, usados por outras empresas e testados muitas vezes são a melhor solução.

Verifique as taxas e as normas

Fazer um orçamento das especialidades para a averiguação das taxas e das normas é imprescindível. Algumas empresas utilizam quantidades mínimas e taxas fixas. Prefira sempre aquelas que cobram valores de mercado, sem a obrigação de cumprir grandes números de exames e garantam a validação destes.

Teste antes de contratar

Um ponto importante é testar o sistema antes de contratá-lo — para ter certeza de que ele irá suprir as necessidades dos seus pacientes. A usabilidade — bem como o tamanho do equipamento — precisa ser averiguada para garantir que a ferramenta será usada com facilidade. Isso pode influenciar muito no tempo de execução das tarefas e no processo de liberação dos resultados de exame online.

Garanta o suporte

Muitas vezes só conseguimos distinguir os bons serviços dos ruins quando enfrentamos algum problema e precisamos da ajuda do suporte. Por mais que você esteja bem informado sobre o suporte e a disponibilidade de uma equipe em horários alternativos, essa pode não ser a realidade da empresa que oferece serviços de exame online.

Sendo assim, é altamente aconselhável conversar com outros clientes para garantir que sua equipe terá apoio quando precisar.

Contrate quem ofereça segurança

Outro fator de suma importância é a segurança, pois esses sistemas passam por constantes modernizações e melhorias internas, e há diversos pontos que podem ficar vulneráveis se a empresa não tiver um esquema de segurança dedicado a combater invasões e vazamentos de dados.

Fazer um planejamento minucioso, estudar as empresas disponíveis no mercado de exame online, encontrar as melhores tarifas, tudo isso em uma empresa que ofereça a opção de testar, são apenas alguns dos cuidados que se deve ter antes de contratar o serviço.

Depois desse levantamento e da contratação do serviço, é possível perceber nitidamente a melhoria e a rapidez na disponibilização de resultados de exame online e no atendimento, garantindo assim, a satisfação dos seus pacientes. É um investimento que só traz benefícios!

Ficou com alguma dúvida para a contratação de uma empresa que presta serviços de exame online? Deixe um comentário!

O que preciso saber sobre laudo à distância?

Na maioria das vezes, o diagnóstico de uma doença depende do resultado de exames, como ultrassonografias, hemogramas e radiografias, por exemplo. Esses exames são utilizados para que os médicos possam entender precisamente o que está errado com a saúde dos seus pacientes. No entanto, é preciso que as clínicas, além de disporem de mão de obra especializada, contem com uma estrutura com laboratórios e equipamentos para gerar os laudos.

O grande problema é que não são todos os estabelecimentos que têm um acesso rápido e fácil à estrutura de diagnóstico, principalmente quando falamos de estabelecimentos localizados em cidades menores e mais afastadas dos grandes centros. Isso gera uma dificuldade no acesso a exames mais específicos e um custo maior.

Por isso, hoje em dia a telemedicina vem ganhando tanto espaço como uma maneira de obter laudos precisos, mesmo à distancia, por um custo muito mais viável. Confira agora tudo o que você precisa saber sobre laudo à distância!

Laudos com precisão em qualquer lugar

A telemedicina cresceu muito nos últimos anos devido à popularização e à evolução dos meios de comunicação, e se tornou uma das grandes apostas para revolucionar a medicina atualmente. Com a telemedicina, as clínicas de todo o país, mesmo nas cidades mais afastadas, conseguem obter laudos perfeitamente precisos.

Isso porque a telemedicina permite que o médico de uma clínica consiga ter um complemento melhor na sua análise terceirizando laudos, de acordo com a carência de especialistas na região em que sua clínica está localizada, consultando especialistas de outros lugares de forma rápida e prática.

É muito interessante ressaltar que a telemedicina e a medicina em si são o mesmo. O único ponto divergente é o uso da internet para a emissão de laudos. Os mecanismos de telecomunicação possibilitam a ampliação da rede de laboratórios e de especialistas.

Baixo custo para obtenção de laudos

Como a telemedicina amplia muito a comunicação entre clínicas, especialistas e laboratórios, os laudos e diagnósticos acabam saindo bem mais em conta para as clínicas, já que não é necessário o deslocamento de maquinário e nem mesmo dos profissionais.

Laudos à distância também são perfeitamente seguros

A telemedicina é regulada pela Associação Americana de Telemedicina (ATA), e também é reconhecida pelos conselhos de medicina e por várias leis nacionais, tornando-a totalmente séria e segura.

Além disso, para tornar os documentos eletrônicos (como os laudos e os exames disponibilizados eletronicamente) muito mais seguros e válidos juridicamente, eles são todos protocolados digitalmente.

Laudo à distância e suas vantagens para os pacientes

Além de apresentar muitas vantagens para a sua clínica, a telemedicina e a obtenção de laudos à distância também oferecem várias vantagens para seus pacientes, deixando-os mais contentes com o seu atendimento oferecido. Uma das maiores vantagens para os pacientes é uma enorme redução no período de tempo que existe entre a realização dos exames e a obtenção do laudo.

Outra grande vantagem é a redução dos deslocamentos, oferecendo mais praticidade ao seus pacientes. Com o laudo à distancia e a disponibilização dos exames de forma digital, seus pacientes podem acessar os resultados de exames e laudos a qualquer momento, em qualquer lugar.

Isso é o que você precisava saber sobre laudo à distância e telemedicina, mas há ainda muitas outras vantagens ao adaptar-se a essa nova modalidade que está em alta no meio da saúde. Deixe o seu comentário sobre o que achou dessa nova forma de se obter laudos e quebrar as barreiras da medicina!

Quais são as doenças do coração que mais matam? Saiba aqui!

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), as doenças do coração lideram o ranking de doenças que mais matam no mundo, estando à frente até mesmo da tuberculose e de acidentes de trânsito.

Confira agora quais são as doenças do coração que mais matam. Afinal, é importante conhecer os males e se prevenir da melhor maneira, não é mesmo?

Insuficiência cardíaca

Como o próprio nome diz, a insuficiência cardíaca se deve a um mal funcionamento do coração quando este não consegue suprir sua principal função: bombear o sangue por todo o corpo.

Essa doença se divide em dois tipos. A insuficiência cardíaca sistólica, quando o miocárdio (músculo do coração) não consegue ejetar o sangue para as artérias, e a insuficiência cardíaca diastólica, quando o miocárdio fica rígido e não consegue armazenar o sangue para ser bombeado.

Suas causas se devem ao avanço da idade ou pelo desenvolvimento de doenças secundárias, como a doença de Chagas. Dentre os principais sintomas, destacam-se cansaço constante, tonturas, dor local e respiração ofegante.

Infarto agudo

Provocado pela falta de sangue e, consequente, pela má oxigenação dos vasos sanguíneos, o infarto agudo do miocárdio, popularmente chamado só de infarto, consiste na parada súbita do coração pelo entupimento da artéria coronária.

Dor no peito, suor excessivo e mal estar estão entre os sintomas que aparecem primeiro. Ao percebê-los, busque o mais rápido possível a ajuda médica para que não ocorra o infarto fulminante, que pode levar ao óbito.

Acidente vascular cerebral

Conhecido pela sigla AVC, o acidente vascular cerebral ocorre pelo entupimento ou pelo rompimento de vasos sanguíneos na região craniana, o que pode gerar má oxigenação do cérebro e, por consequência, a parada cardíaca.

Os vasos podem entupir pelo acúmulo de placas de gorduras e se romper pela elevada pressão arterial provocada por inúmeros fatores. Os sintomas são: formigamento em uma parte do corpo, dor de cabeça, tonturas e paralisia. Caso a pessoa que está sofrendo o AVC não procure o auxílio médico imediatamente, a lesão pode se agravar, gerando uma série de sequelas neurológicas e motoras — ou até mesmo provocando a morte.

Doença vascular periférica

Assim como o AVC, a doença vascular periférica é causada pelo entupimento de vasos sanguíneos, mas nesse caso, por todo o corpo — e em especial, nas artérias periféricas.

A obstrução dos vasos pode exigir um maior esforço cardíaco, além de diminuir o fluxo em determinados membros. Nas pernas, por exemplo, pode levar a doenças secundárias, como a trombose.

Dentre os principais sintomas, destacam-se dor intensa, dificuldade ao movimentar os membros afetados, dormência e cansaço exagerado.

Morte súbita

É o chamado infarto fulminante. Nesse caso, não há chances de socorro. A morte súbita ocorre principalmente por conta de outras doenças cardiovasculares, não apresentando sintomas específicos antes de acontecer.

Para se prevenir contra essas doenças, não há melhor método do que realizar exames regularmente e estar esperto para o aparecimento dos sintomas, evitando surpresas indesejáveis e problemas futuros.

Algo que é muito eficaz contra as doenças do coração e se torna cada vez mais popular nos dias de hoje, é a telemedicina. Aliada aos meios de comunicação e ao avanço implacável da internet, a telemedicina quebra barreiras de distância e atende pacientes de forma segura e completa em todas as partes do globo, auxiliando até mesmo as pequenas comunidades com uma assistência médica de primeira mão.

Esse recurso não só é vantajoso para pacientes, como também para os médicos, pois garante uma troca veloz de informações — fator que pode ser crucial para um tratamento urgente.

Gostou do nosso artigo? Então deixe um comentário!

Afinal, o que é arritmia?

Todos os anos, 300 mil brasileiros são vítimas de arritmias e morte súbita, segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC). Mas, afinal, o que é arritmia?

A arritmia é um problema de alteração dos batimentos cardíacos — que podem tornar-se irregulares, mais rápidos (taquicardia) ou mais lentos (bradicardia) que o normal. Há dois tipos de arritmia cardíaca: a benigna e a maligna. A diferença entre as duas se dá pelo fato de que a primeira pode ser facilmente tratada com alguns medicamentos; a última, além de medicação, exige intervenção cirúrgica.

Quer saber mais sobre a doença e como tratá-la? Então, continue acompanhando o post de hoje.

Como acontece a arritmia?

O ritmo cardíaco é controlado por sinais elétricos. A partir do momento em que esses sinais atrasam ou são bloqueados, há uma consequente alteração dos batimentos cardíacos, levando à arritmia.

Esse processo é como uma resposta a um ineficiente funcionamento das células nervosas especiais, que são as responsáveis pela produção dos sinais elétricos.

Quais são os sintomas da doença?

Além da alteração nos batimentos, a arritmia é denunciada por inúmeros outros sintomas. Conheça-os e fique de olho:

  • Cansaço em excesso;
  • Falta de ar;
  • Fraqueza;
  • Dor e sensação de peso no peito;
  • Desmaios;
  • Transpiração;
  • Palidez;
  • Tontura;
  • Ansiedade.

Quais são as causas da arritmia?

A arritmia pode surgir em decorrência de inúmeros fatores, como o consumo exagerado de cafeína e álcool, a grande concentração de eletrólitos na corrente sanguínea — como o potássio e o sódio, por exemplo — e o uso de drogas, como as anfetaminas.

Além disso, problemas como hipertensão, anemia, desordens na tireoide, doença de chagas, insuficiência cardíaca, doenças congênitas do coração e doença coronariana podem contribuir para a arritmia.

Também pode influenciar no aparecimento da arritmia a realização de exercícios físicos de alto impacto, complicações após cirurgias cardiovasculares, idade avançada, estresse e diabetes.

Como tratar e superar a arritmia?

A arritmia nem sempre exige tratamentos complexos. Mesmo assim, se você apresentar — ou perceber em alguém — qualquer um dos sintomas aqui descritos, é muito importante procurar ajuda médica. Se for mesmo arritmia, quanto mais cedo ela for identificada e tratada, melhor!

Muitas vezes, a doença é diagnosticada através de simples exames realizados pelo médico — como a ausculta feita com o estetoscópio e a verificação da pulsação. O médico, então, deverá solicitar que seu paciente seja submetido a exames mais detalhados, como o eletrocardiograma, por exemplo.

O tratamento para essa doença é, geralmente, efetuado através de medicação. Em casos extremos, o paciente pode precisar passar por uma cirurgia para a colocação de um marcapasso — ou, então, por uma cirurgia de ablação ou de cardioversão elétrica.

Quem convive com a arritmia deve estar ciente de que é preciso mudar seus hábitos alimentares para uma melhor qualidade de vida. É importante evitar o consumo exagerado de alimentos gordurosos e açucarados para, assim, evitar o aumento dos níveis de colesterol ruim (LDL).

Esse tipo de gordura, quando presente em grandes quantidades no organismo, pode causar o entupimento das artérias e levar ao infarto. Por isso, a prática de atividades físicas e a adoção de bons hábitos alimentares é essencial para a saúde do coração.

Como tantos outros problemas de saúde, a doença pode ser evitada através de hábitos de vida saudáveis. Além disso, é importante diagnosticá-la e tratá-la o quanto antes — por isso, não esqueça de visitar seu médico se perceber algum dos sintomas da doença.

Conseguiu entender melhor o que é a arritmia e como tratá-la? Tem outras dúvidas sobre o assunto? Gostaria de compartilhar suas experiências? Deixe seu comentário e entre para a conversa!

Telediagnóstico: 7 razões para uma clínica adotar essa tecnologia

Provavelmente, você já ouviu falar sobre uma tendência atual da medicina, o chamado telediagnóstico. Se ainda não, já passou da hora de conhecer essa nova tecnologia, que logo deixará de ser novidade para ser uma realidade imprescindível para quem almeja construir um negócio de sucesso dentro da área de prestação de serviços na área de saúde.

Hoje, selecionamos sete razões para que você perceba a necessidade de adotar o telediagnóstico na sua clínica.

1. Comodidade

Quem administra uma clínica sabe bem que não é fácil o armazenamento, o encaminhamento e o retorno de documentos e exames para a avaliação de um especialista. Gasta-se dinheiro e tempo em imprimir resultados, organizá-los e levá-los para serem laudados por um médico capacitado. Pensando nisso, fazer opção pelo telediagnóstico representa comodidade em utilizar um sistema informatizado e on-line.

2. Segurança

Toda informação gerada acerca de um paciente envolve necessidade de armazenamento sigiloso, protegido pelo código de ética médica e pela legislação brasileira. Dessa forma, é necessário que os dados clínicos e diagnósticos de um paciente não se tornem de conhecimento público ou mesmo de funcionários da clínica de forma indevida. Então, essa é mais uma razão para apostar no telediagnóstico, que conta com sistemas de acesso restrito, em que as informações sigilosas só podem ser consultadas pela equipe responsável pelo caso em questão.

3. Agilidade

Uma das mais frequentes queixas entre pacientes é a demora em obter resultados após a realização de exames. Todavia, muitas vezes, esse tempo prolongado não decorre de falha do gestor da clínica, mas do processo lento que normalmente ocorre entre a realização do exame, a visualização e a análise de um médico para liberar o laudo. Contando com um parceiro de telediagnóstico, esse tempo de espera cai, sendo que alguns resultados podem ser liberados em algumas horas, com qualidade garantida, aumentando o número de atendimentos que podem ser feitos.

4. Análise de excelência

Muitas clínicas contam com dificuldades em encontrar um especialista devidamente capacitado para a realização do diagnóstico de um exame feito. Essa situação se mostra ainda mais frequente em cidades menores, distantes dos grandes centros e das capitais. Com o serviço de telediagnóstico, todos os serviços prestados pela sua clínica estão sob supervisão de uma equipe altamente capacitada, que realiza análise criteriosa para um correto diagnóstico.

5. Investimento que cabe no seu bolso

Muitos gestores de clínica encontram dificuldade em iniciar ou expandir sua clínica devido ao alto custo de determinados equipamentos, exigindo um capital inicial muito além da realidade da maior parte de nossos clientes. Contando com uma parceira em telediagnóstico, tais problemas são eliminados pela possibilidade de obtenção de equipamentos em regime de comodato.

6. Satisfação do paciente

Muitos pacientes procuram clínicas em que podem realizar toda sua investigação e seu tratamento. São poucos os que ficam satisfeitos em ter de realizar a consulta, os exames e o tratamento em locais distintos. Pensando nisto, dispor de maior gama de propedêutica médica, com o apoio do serviço de telediagnóstico, garante maior satisfação do paciente com os serviços prestados, garantindo seu retorno e suas indicações.

7. Redução de custos e aumento dos lucros

Um dos principais objetivos de todos os empreendedores é reduzir os custos de operação. Fica claro que, com a parceria de uma empresa de telediagnóstico, serão menos gastos com pessoal, insumos e equipamentos, além de possibilidade de atendimento a mais pacientes, o que levará a um melhor índice de rentabilidade.

Está convencido a adotar o telediagnóstico em sua clínica? Qual são seus receios? Deixe seu comentário para que possamos ajudá-lo!

Telemedicina x telessaúde: você sabe qual a diferença?

Telemedicina e telessaúde são dois termos bem parecidos, que são muito confundidos pelas pessoas e que, ao longo de muitos anos, foram utilizados como equivalentes um ao outro, mas não são! Ambas se tratam de grandes avanços tecnológicos na área da saúde, permitindo que ela chegue com mais qualidade mesmo em lugares remotos, como zonas rurais e outros locais mais afastados das grandes cidades.

Se você ainda tem dúvidas sobre a diferença entre telessaúde e telemedicina, este post foi feito para você! Acompanhe!

O que é telessaúde?

A telessaúde está relacionada a várias atividades que envolvem os cuidados com a saúde, utilizando-se de tecnologia e serviços de informação e telecomunicação para promovê-la por todo o território. A telessaúde trouxe muitos avanços para a área da saúde, desde simples conversas ao telefone ou pela internet entre médicos e pacientes para discutir sobre um diagnóstico, até a utilização da robótica em procedimentos mais avançados.

O que é telemedicina?

A telemedicina, por outro lado, trata-se de uma categoria existente dentro da própria telessaúde, sendo a tecnologia que proporciona essa troca de informações entre médicos e pacientes, mesmo que à distância.

Isso tem permitido que os serviços médicos cheguem a qualquer lugar, indo além de hospitais e consultórios apenas. Como é usada para vários fins e funções, através da telemedicina os pacientes podem obter seus resultados de exames mesmo em clínicas que não dispõem de um especialista, por exemplo, podendo servir, assim, para melhorar a capacitação profissional. E esse recurso vai muito além disso: a partir da telemedicina é possível realizar exames e até cirurgias a longa distância por robôs que são controlados a partir de qualquer lugar do mundo! Incrível não é mesmo?

Quais são as diferenças entre telemedicina e telessaúde?

A principal diferença da telessaúde para a telemedicina, como mencionado anteriormente, é que a primeira se trata de um campo bem mais amplo, no qual a telemedicina está inclusa. Agora que já vimos os conceitos dos dois termos, vejamos as diferenças principais entre eles:

  • A telessaúde é bem mais antiga, tendo sua primeira participação na medicina, segundo relatos históricos, no começo do século XX, quando o rádio começou a ser utilizado como forma de levar serviços médicos até a Antártica. Já a telemedicina é algo bem mais recente, tendo surgido nos anos 70, nos Estados Unidos, com a intenção de levar mais atendimento médico às zonas rurais.
  • A telessaúde trata-se de todo o tipo de uso de serviços de informação relacionados à saúde, partindo de instrumentos de comunicação tecnológica. Já a telemedicina se configura como uma categoria da telessaúde, proporcionando serviços diretos e especializados para os médicos e enfermeiros. Através dela é possível assistir e até mesmo controlar a partir de robôs uma cirurgia que está acontecendo lá em outro lado do mundo, por exemplo!

Quais os benefícios?

Com a telemedicina, os médicos e enfermeiros podem fazer diagnósticos muito mais ágeis para seus pacientes. Além disso, para aquelas clínicas que se localizam em áreas de difícil acesso e não contam com um médico especialista para fazer esses diagnósticos, essa é uma forma eficaz, simples e de baixíssimo custo para contar com ajuda especializada, mesmo que à distância, não deixando de oferecer um serviço de qualidade aos pacientes.

Então, viu como é simples diferenciar telessaúde de telemedicina? E você, já cogitou utilizar a tecnologia para oferecer telediagnósticos aos seus pacientes? Deixe seu comentário!

Curativo a vácuo: 5 motivos para utilizar essa tecnologia

A cicatrização e os curativos de feridas exige esforços além da capacidade humana de suportar a dor: os pacientes ficam expostos a uma série de transtornos como mal-estar, dor e desconforto. Porém, uma nova tecnologia na área médica promete acabar com o sofrimento de milhares de pacientes e devolver-lhes uma rotina normal e tranquila, com o uso do curativo a vácuo, uma tecnologia nova e revolucionária, que permite que os ferimentos cicatrizem de maneira mais rápida e eficaz. Confira quais são os principais motivos para fazer uso dessa técnica de recuperação.

Como funciona o curativo a vácuo?

Essa técnica inovadora consiste na aplicação de uma pressão negativa (vácuo) através de uma espuma de poliuretano, que é ajustada ao tamanho e à profundidade da ferida no paciente. A ferida é então coberta por um filme ligado a um aparelho que controla a graduação e também a frequência do vácuo. Dessa forma, o processo de cicatrização é acelerado e a lesão é curada em um menor espaço de tempo.

Quais as indicações de uso?

A técnica de curativo a vácuo é indicada para:

  • Tratamentos de feridas diabéticas;
  • Enxertos de pele;
  • Queimaduras;
  • Úlceras por pressão;
  • Síndrome do abdome aberto;
  • Síndrome compartimenta;
  • Síndrome de Fournier;
  • Feridas ortopédicas;
  • Mediastinite.

Quais são os principais motivos de se usar o curativo a vácuo?

Ter uma ferida de difícil cicatrização não é nada cômodo, tanto para pacientes quanto para  médicos e enfermeiros, e os profissionais da saúde em geral. O uso do curativo a vácuo é indicado pelos seguintes motivos:

Diminui o tempo de internação

Quando os pacientes possuem feridas complexas e de lenta cicatrização, é necessário que suas estadias nos hospitais sejam demoradas e sofridas, mas isso está prestes a mudar. Com a aplicação dessa inovadora técnica, os tempos de internação diminuirão.

Menor troca de curativos

Como o tempo de cicatrização é diminuído, as trocas de curativos são menores. Proporcionando ao paciente menos idas a hospitais, clínicas e postos de saúde.

Metodologia simples e prática

A técnica de curativo a vácuo, diferente dos curativos convencionais que exigem uma série de itens, como faixas, pomadas e esparadrapos, é simples, direta e de fácil aplicação.

Uniformização de materiais

Mesmo com padronização dos serviços, hospitais, postos de saúde e UBS ainda utilizam diferentes materiais para realização de curativos. Porém, ao utilizar o curativo a vácuo, essa discrepância de materiais tende a se extinguir, o que acarretará uma padronização de materiais e insumos medicinais utilizados nas unidades de saúde. Essa uniformização proporcionará economia e resultados satisfatórios não só para os pacientes, mas para as clínicas e hospitais, ao propiciar economia de tempo e financeira.

Qualidade de vida aos pacientes

Esse pode ser apontado como o principal motivo do uso do curativo a vácuo. Quem possui feridas de difícil cicatrização sabe quão doloridas elas são, além de causarem uma série de desconfortos. Essa técnica inovadora, além de ser econômica, é capaz de devolver a qualidade de vida às pessoas que dela se aproveitarem.

Ainda pouco difundido, o curativo a vácuo tende a ganhar cada vez mais espaço em hospitais e clínicas.

Você já fez uso da tecnologia ou conhece alguém que tenha feito? Utilize os comentários para nos contar quais foram os resultados obtidos.

5 mitos e verdades sobre a saúde do coração

Uma das principais causas de morte, nos dias atuais, são as doenças do coração. O estilo de vida moderno, marcado pelo sedentarismo e pela má alimentação, favorece o aparecimento das doenças cardiovasculares, afetando a saúde do coração. A boa notícia? Muitos dos fatores de risco para essas doenças podem ser reduzidos — ou, até mesmo, eliminados — com algumas simples mudanças de hábitos.

Fazer uma atividade física ou abandonar o cigarro, por exemplo, são atitudes que beneficiam — e muito! — a saúde do coração. Embora a hereditariedade seja um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, ela não chega a ser tão importante.

A prevenção contra esses males está totalmente relacionada a nossas atitudes e hábitos e, por isso, o conhecimento é fundamental. Comece desvendando, neste post, alguns mitos e verdades sobre a saúde do seu coração! Vamos lá?

Apenas os obesos têm problemas no coração

Mito! É verdade que a obesidade faz com que as pessoas desenvolvam a hipertensão e o diabetes e, também, que tenham elevados níveis de colesterol — e todos esses são fatores de risco para o desenvolvimento de uma cardiopatia.

No entanto, qualquer indivíduo que seja sedentário ou que fume, independente de ser gordo ou magro, tem chances elevadas de ter problemas de coração.

Os homens infartam mais do que as mulheres

Mito! Embora as mulheres sejam afetadas mais tardiamente do que os homens, as cardiopatias atingem pessoas de ambos os gêneros, indistintamente. Os fatores de riscos são comuns a homens e mulheres — e ambos devem se preocupar com a prevenção.

Nas mulheres, mesmo que mais tarde, os sintomas das cardiopatias aparecem na sua forma mais grave, e levam à morte com mais frequência.

Jovens também infartam

Verdade! Os fatores de risco estão presentes cada vez mais cedo. Isso acontece por causa do estilo de vida moderno, marcado pelo stress, pela má alimentação, pelo consumo exagerado de álcool e pelo sedentarismo. Como resultado, temos uma população que desenvolve o diabetes e a hipertensão cada vez mais cedo, o que favorece o aparecimento das cardiopatias.

Toda pessoa que pratica exercícios físicos está livre das doenças do coração

Mito! O exercício físico protege o coração porque libera uma substância que relaxa a parede dos vasos sanguíneos — e isso favorece a saúde do órgão. No entanto, essa proteção só ocorre enquanto a pessoa está praticando o exercício.

Ou seja, se o indivíduo interrompe a prática da atividade física, a proteção acaba. Por outro lado, não adianta ser um atleta e manter o hábito do cigarro ou a alimentação desequilibrada. O importante é manter um estilo de vida saudável!

Alguns alimentos favorecem a saúde do coração

Verdade! As castanhas, por exemplo, funcionam como um anti-inflamatório natural dos vasos sanguíneos, reduzindo os triglicérides. Além disso, elas são fonte de cálcio, fósforo, vitaminas B e E, selênio e magnésio.

Recomenda-se o consumo diário de uma castanha-do-pará ou de duas nozes. A cebola também deve ser incluída na alimentação diária, pois protege a função cardíaca e reduz a gordura do sangue.

Os peixes de água gelada, como o salmão, a sardinha e a truta, são ricos em ômega-3. Por isso, agem no controle da pressão sanguínea e previnem o desenvolvimento da arteriosclerose.

Fazer um check up periodicamente diminui bastante as chances de se desenvolver uma doença do coração. A partir do 35 anos, recomenda-se que se faça um monitoramento anual — mas o ideal é que esses cuidados comecem ainda antes. Afinal, nosso bem-estar geral está intimamente ligado à saúde do coração!

E você, cuida bem do seu coração? O que tem feito pela sua saúde? Tem outras dúvidas sobre o assunto? Deixe seu comentário e conte tudo pra gente!